Página inicial
Notícias

16.05.13   |   Saúde Ocular

Ceratocone – Entendendo os Tratamentos!

É muito comum vermos pacientes com Ceratocone confusos em relação a esta doença e aos seus tratamentos. O oftalmologista geral muitas vezes não consegue tranquilizar o paciente em relação a qual é a melhor opção de tratamento para seu caso.

O Ceratocone afeta a córnea, que é uma lente ocular, deformando-a. Esta deformação faz com que o paciente enxergue uma imagem desfocada. Quanto maior a deformação, pior é a visão. Chamamos esta deformação da córnea de astigmatismo. Os astigmatismos podem ser regulares ou irregulares e simétricos ou assimétricos. Astigmatismos regulares e simétricos geralmente são bem corrigidos com lentes de óculos. Já os irregulares e assimétricos, quanto maior a irregularidade e assimetria, pior a visão com óculos e maior a indicação de lentes de contato especiais.

As lentes de contato para Ceratocone devem ser adaptadas de modo a possibilitar a melhor visão possível, sem traumatizar a córnea. Lentes mal adaptadas podem favorecer a progressão do ceratocone e/ou causar perdas de transparência na córnea. A perda da transparência da córnea é incompatível com a boa qualidade visual.

A primeira fase do tratamento deve ser sempre, portanto, a adaptação de lentes corretivas ( óculos ou lentes de contato) para melhorar a visão do paciente. Após verificarmos qual a visão final do paciente nesta primeira fase é que pensamos em outros tratamentos.

CrosslinkCrosslink: Em um paciente bem adaptado com óculos ou lentes de contatato e que está satisfeito com sua visão, não precisamos pensar em outro tratamento com finalidade de melhorar a visão. Nestes casos, o que queremos é manter a visão que o paciente tem. Deve-se acompanhar o paciente com exames de topografia e paquimetria de córnea periódicos para verificarmos se o Ceratocone está evoluindo ou não. Em um Ceratocone que não está evoluindo não há necessidade de tratamento adicional. Caso o ceratocone esteja evoluindo em um paciente com boa qualidade visual com óculos ou lentes de contato, deve-se propor um tratamento que tem por objetivo estabilizar o Ceratocone para manter a visão que o paciente tem. Neste caso, o tratamento é o Crosslink. O Cross Link é um tratamento que expõe a córnea a uma combinação de radiação ultravioleta com vitamina B2, produzindo um aumento nas ligações entre as fibras de colágeno da córnea, aumentando sua rigidez. Os diversos estudos sobre o Cross Link publicados até hoje (cerca de dez anos de experiência) demonstram que este tratamento estabiliza o Ceratocone em até 97% dos casos quando realizado no momento adequado e nos pacientes adequados. Córneas com ceratocone avançado, com cicatrizes ou estrias e pacientes com mais de 38 anos são fatores associados a menor eficiência do tratamento. O Crosslink portanto está indicado em pacientes com ceratocone que apresentem boa visão com seus óculos ou lentes de contato, com ceratocones não muito avançados e que tenham apresentado evolução da doença. A função deste tratamento é parar a evolução da doença! O Crosslink não está indicado para melhorar a qualidade da visão (apesar de isso acontecer algumas vezes). Por isso, em pacientes que não tenham boa visão com óculos ou lentes de contato, deve-se pensar em outra opção terapêutica inicialmente.

Anéis CorneanosAnéis Corneanos: os anéis intra-corneanos ou anéis intra-estromais, também conhecidos como anéis de Ferrara (nome de um tipo de anel) são arcos de acrílico ultrafinos que são implantados na córnea, funcionando como um esqueleto que remodela a córnea, diminuindo sua curvatura e restaurando uma superfície mais regular. Estes implantes devem ser indicados em pacientes que possuam córneas sem opacidades centrais, com boa espessura na área onde os anéis devem ser implantados e com ceratocones não muito avançados. É importante salientar que após o implante os pacientes provavelmente continuarão precisando de óculos ou lentes de contato para atingir sua melhor qualidade visual. A adaptação de lentes de contato em córneas com anéis implantados pode ser mais um desafio, exigindo um tipo de lentes com curvatura especial. Este tratamento está indicado, então, para pacientes que já possuam irregularidades de córnea que não permitem boa visão com óculos ou lentes de contato, mas que não possuam ceratocones muito avançados. Em alguns casos em que após o implante dos anéis o ceratocone continue evoluindo, pode-se associar o Crosslink para estabilização do resultado. É importante salientar que os anéis implantados podem ser removidos caso necessário.

Transplante de Córnea: este tratamento tem indicação apenas, como último recurso, em pacientes que apresentem Ceratocones avançados que não atingem boa qualidade visual com óculos ou lentes de contato e que não tenham indicação de implantar anéis intra-corneanos. Apenas 10% dos pacientes evoluem para esta situação se não tratados numa fase mais precoce.

O que é muito importante salientar é que com o surgimento do Crosslink se tornou ainda mais importante diagnosticar o Ceratocone precocemente. Como hoje em dia tem-se a possibilidade de evitar que ceratocones iniciais progridam tornando a reabilitação visual mais complicada, é fundamental que pacientes com astigmatismos que estejam se modificando ou que não atinjam boa visão com óculos façam exame de topografia de córnea para avaliar a possível existência de um Ceratocone.

Fonte: Primar

Boletim informativo. Cadastre-se!
Mapa do site
Abrir
Rua Dona Laura, 87, sala 406
Moinhos de Vento - Porto Alegre - RS
Fone: 51 3222.7974
contato@clinicaprimar.com.br

Mapa de localização e estacionamentos
© Copyright 2018 Primar Oftalmologia     |     Desenvolvido por Desize